Felicidade de cada dia

07:00 / Postado por G.Barud / comentários (1)

Ah, ela vem chegando,
hiperbolicamente
populando minha mente
com diversas cenas presentes...

... minha felicidade
é tê-la em meus braços,
sentindo a ressonância
dos nossos corações...

...e quando o mel dos teus olhos
escalda em meu coração
a clausura do teu olhar
é leviana provocação....

...e seu sorriso condensado,
adocica minha alma,
faz-me amar e ser amado,
sempre inigualável.



Ps: Saudade de escrever! Volto com mais logo logo!
Bjundões a todos!

A dois

13:41 / Postado por G.Barud / comentários (3)

E as vezes só um eu te amo basta

Para ver que no mundo só você

Me faz rir, me faz sofrer, e esquecer

Toda a solidão, que os sonhos afasta.


As vezes, só de te olhar já acredito

Que o amor é real, e está do meu lado

Que nem tudo na vida está errado

Que é verdadeiro aquilo que foi dito


Pelo maior poeta, pelo melhor escritor

E por quem já viveu um grande amor.

Sobre o medo do passado distante


E a incerteza dos dias por vir.

É, as vezes, nada é mais importante

Do que o eu te amo que você sorri.


Ana Carolina França


(A concorrencia foi dura pra ela ser a primeira a postar poesia tirando eu, Gustavo eauheauheauhaehuea, brincadeira, ta um legítimo soneto, e eu achei muito foda, mas eu ja imaginava que fosse foda, em se tratando da autora =D)

Soneto Sinestésico

15:17 / Postado por G.Barud / comentários (4)

O cheiro do seu perfume
ainda esquenta meu corpo.
Eu opo meus pensamentos
que alteiam para o cume.

Conurbamos nossas almas
com olhares simultâneos.
Enxergamos o destino
com carinhos instantâneos.

Limito-me afastando
pois poupo plebes erros
vivencio minha Creta.

O nada se torna tudo
só quando estou com você
pois meu poeta revive.

Soneto dos Pedidos

15:08 / Postado por G.Barud / comentários (3)

Carrega contigo, nuvem
os meus fiéis pensamentos
e faz com que sempre rumem
e conforme almeja o vento.

Carrega contigo, nuvem
minhas expelidas lágrimas
descritas por rimas sábias
para que lá impressionem.

Pulsante, não decepcione.
Regule meus sentimentos
para feliz eu sempre estar.

Pensante, não abandone.
Controle os batimentos
pra que eu não possa cessar.

À Procura

10:06 / Postado por G.Barud / comentários (1)

Oh, o errado me persegue
traz consigo a infelicidade
que fielmente me segue.
Faz com que ela volte!

Ah, se ela soubesse a falta que faz
no meu coração ela precisa
com sua sagaz dança,
zarpar minha solidão.

Uma dança alucinante,
um som desconcertante,
o apogeu pessoal,
puramente carnal.

Dias que já não voltam,
os quais ela esteve presente.
Dias que não existiram,
e ela esteve ausente.

Poucas me lembram ela,
recordações momentâneas
que eternizam contatos cutâneos.

Em minha vida,
meus olhos só enxergarão
suas covinhas.

Sonho

19:29 / Postado por G.Barud / comentários (2)

Doce menina,
querida irresistível,
fascina pois
indescritível.

Longas distâncias
me separam do seu afago
muita importância
de estar do seu lado.

Sua fofa fática
faz-me incrivelmente
feliz.

Porque na prática
fielmente é
tudo que eu sempre quis.

(g.barud)

llusão

16:05 / Postado por G.Barud / comentários (1)

Quando a amarga esperança
me abandona
A querida doce vingança
vem à tona.

Quando a injustiça
me inutiliza
nem a pizza
esconde a minha dor.

Talvez seja escapismo,
talvez libertação
eu só a enxergo
como única solução.

Talvez seja fraqueza,
talvez incompreensão.
Não exergas com clareza
a minha visão.

Enquanto a tristeza
habitar meu coração,
hei de sofrer,
com toda a certeza.

(g.barud)

Você

17:57 / Postado por G.Barud / comentários (2)

Felicidade.
A interminável procura
cessa quando encontro
a sua fofura.

Falta de ar.
Explicável ao vê-la,
termina com a clausura
do seu profundo olhar.

Loucura.
Grandes sacrifícios
só para abraçá-la.
Uso artifícios, para impressionar.

Verdade.
É ela que não faz-me dormir
e muito menos querer acordar
A única que me faz sorrir
e a que me impede de chorar.

(g. barud)

Tudo por você

14:33 / Postado por G.Barud / comentários (1)

Charles, não gere distúrbios.
A minha origem, eu temo.
Luto para impressionar,
pois seu jeito motiva.

Charles, não gere distúrbios.
O apogeu, meu desejo.
As condições, minha sina.
Nós, felizes sem parar.

E saiba uma coisa, Charles.
Almejo ser desejado
pois tentarei ser o melhor.

Talvez, Charles, muito penso
e também muito eu falo.
Mas minha empolgação
embaça minha visão.
Não entendo o coração.

Não culpo você, Charles.
Os meus olhos sempre viram,
batimentos alertavam
a evidente fofura,
a sua suprema doçura.

Minha vontade de tê-la
quebra suas barreiras, Charles.
Se você pudesse vê-la,
acreditaria em mim.

(g.barud)

Soneto do Boêmio I

15:20 / Postado por G.Barud / comentários (1)

Pode ser Skol,
ela está no rol
que traz minha alegria
enquanto bebia.

Quem não bebe Brahma
não sua a camisa
não sabe amar
só se martiriza.

Eu amo a louraça
que vem e me amassa
um gole, é Devassa.

Pra incomparável,
palavras não tenho,
louvada Heineken.

(g.barud)

ps¹: Caso beba, não dirija.
ps²: Não estou estimulando a ingestão de bebidas alcoólicas, mas que elas são boas são =D
ps³: Terá Soneto do Boêmio II, aguardem =)

Flerte

15:17 / Postado por G.Barud / comentários (1)

Quando aqueles olhos
olham para mim
eu entro num vortex
que cheira a jasmim.

Eu não sei bem certo
o que me atrai nela
mas quanto mais perto
mais bela ela fica.

Remaria até
incessantemente
para te ver de novo.

Sorria para mim,
encontre minha alma
guardando meu flavor.

(g.barud)

Soneto do Desabafo

15:04 / Postado por G.Barud / comentários (1)

O ar, ela me deixa sem
saudade sinto eu dela
aquele carinho, bem
simples e especial.

Amar, não sei o que é isso
boas chances eu já perdi
de perder meu coração
até para alguma anormal.

Já vivi belas histórias
que não se concretizaram
mas tiveram empatia.

Sacrificar-me-ei "à"
pelas que valor não deram
à minha ampla simpatia.

(G.Barud)

Soneto do Cafajeste

12:48 / Postado por G.Barud / comentários (3)

Ah! Vem, me provoca.
Seu olhar seduz,
invoca meu ser
que une corpos nus.

Seus carnudos lábios
chamam atenção
porque cá provoca
extrema atração.

Só seu rebolado
pode arrepiar
meus alados pêlos.

Socar-te-ei contra
a parede pois
só eu te amo muito.
(g.barud)

ps: Os cafajestes também amam!

Nostalgia Diária

06:05 / Postado por G.Barud / comentários (1)

Alvorada vem lá,
lembro dela sempre.
Bela apaixonada,
meu bem prepotente.

Com o alvorecer,
há lá aquela outra
que faz-me enrijecer
loucamente amar.

Então anoitece
se eu muito quisesse
traía minha paixão.

E as passageiras,
belas verdadeiras
as que eu falo em vão.

(g.barud)

Morena

18:03 / Postado por G.Barud / comentários (8)

Sim, eu lembro dela lá.
A vi e falei que era bela
mandou charme pra mim
deu-me assim esperança.

Nossas boas longas conversas
criam uma boa impressão
e fazem-me escrever versos
que apertam o coração.

Morena cheia de graça
sua também grande fofura
vem, me abraça e tortura.

Pequena grande menina
que me traz felicidade
não me deixe com saudade.

(g. barud)

Soneto da Regozijação

15:47 / Postado por G.Barud / comentários (4)

Oh, meus cotovelos almejam-a
é interminável felicidade
a qual as jangadas tonificam
esta minha amável longa saudade.

Um grito conduz esta liberdade
busca o pleno, feliz apogeu,
companheiro de tamanha vaidade
ameno esquecido do meu eu.

Tantos querem a sua permanência
fortalecendo nossa essência
perpetuando a contínua voga.

Com o esforço dos determinados,
o potente foco dos concentrados,
assim conquistá-lo-emos a glória.
(Gustavo Barud)

Grandioso Amplexo

16:03 / Postado por G.Barud / comentários (7)

É saudade,
algoz do meu frio
completa a felicidade
tão sutil quanto um fio.

Um apego torturoso
intimamente superior
o curto, longamente gostado
o longo, perfeitamente superfluado.

Está em voga
e sempre é
galanteador.

Racionalmente hedônico,
um prestígio eloquente
todavia compreensivo.

(Gustavo Barud)

Ela

17:31 / Postado por G.Barud / comentários (2)

Antes de mais nada, sugiro uma votação para qual dos dois finais (tercetos) vocês acham que ficaria melhor.

Ah, ela está passando, eu sei
seu cheiro me abraça fielmente
purificando meu jeito,
rebuscando-o meticulosamente.

Ih, se ela soubesse do meu anseio
pelo nosso encontro,
anteciparia-o soltando
seu condicional charme.

(Final 1)

Hei de possuí-la,
amando-a diariamente,
subitamente, inesitávelmente.

Hei de agarrá-la,
forçando futuramente
contatos póstumos.

(Final 2)

Hei futuramente
de nos matrimonizar
num campo de tulipas mentoladas.

Não quero acordar,
do meu imaginário inconsciente,
tendo que confrontar com a verdade incoveniente.

Medo

17:07 / Postado por G.Barud / comentários (3)

Oh, onde eu falhei?
A reflexão me atormenta
é eu sei, deixar de lado
não me afugenta.

Não me abandone
a solidão esquarteja
banalmente minha alma
tão estupidamente mórbida.

Ludibriar-me-ia
afirmando que estou
concisamente correto.

Meu orgulho me destrói,
impedindo possibilidades
de conciliação.
(Gustavo Barud)

Crise Existencial

09:20 / Postado por G.Barud / comentários (2)


De onde vim,
aonde irei,
a deficiencia de uma finalidade
ir-me-á grafitar um papel.

A inocencia esbranquiçada,
o humor escurecido,
dividem-me na jornada
do homem essencialmente perdido.

(Gustavo Barud)

Apresentação

08:11 / Postado por G.Barud / comentários (0)

Bom, antes de mais nada... Bom dia/Boa tarde/Boa noite ao público leitor =)


Este blog, tem a finalidade de divulgar as poesias de um renovado poeta rs.

Críticas e Sugestões sempre muito bem vindas!

Abraços, espero que todos gostem!